Novo presidente de Taiwan sem maioria parlamentar terá mandato “difícil” com a pressão da China

O presidente eleito de Taiwan, Lai Ching-te, poderá enfrentar quatro anos difíceis no cargo sem maioria parlamentar, uma oposição que deseja reiniciar um vexatório acordo comercial de serviços com a China e a ameaça sempre presente de ação militar de Pequim.

Lai, do Partido Democrático Progressista (DPP), no poder, venceu no sábado por uma margem confortável, embora com menos de metade dos votos, mas o seu partido perdeu o controlo do parlamento, no qual Lai terá de confiar para aprovar legislação e despesas.

A China não perdeu tempo em apontar que a maioria dos eleitores votou contra Lai, com o seu Gabinete de Assuntos de Taiwan a dizer que o DPP “não pode representar a opinião pública dominante” sobre Taiwan, embora não tenha nomeado Lai directamente, ao contrário do que aconteceu no período que antecedeu a votação, quando regularmente chamou-o de separatista perigoso.

Lin Fei-fan, ex-secretário-geral adjunto do DPP e agora membro sênior de um think tank do partido, disse à Reuters que está “bastante preocupado” com o fato de o novo governo ter quatro anos “muito difíceis”, especialmente em questões relacionadas à China.

Entende que os legisladores da oposição, que juntos formam uma maioria legislativa, poderiam intensificar os intercâmbios com a China e pedir o reinício de um polêmico pacto comercial de serviços que Taiwan arquivou há uma década diante de protestos em massa.

“Isso é o que nos preocupa”, disse. “Os governos locais e o parlamento poderiam formar uma linha para pressionar o governo central”.

Tanto o maior partido da oposição de Taiwan, o Kuomintang (KMT), como o pequeno Partido Popular de Taiwan (TPP), fizeram campanha para reiniciar o pacto de serviços comerciais.

Nenhum dos dois confirmou se trabalharão juntos no parlamento, embora o presidente do TPP, Ko Wen-je, tenha dito no sábado que desempenharão o papel de uma “minoria crítica”.

O candidato derrotado do KMT, Hou Yu-ih, não respondeu diretamente a uma pergunta sobre a união dos dois partidos no domingo, dizendo apenas que “os partidos da oposição têm a responsabilidade de serem partidos da oposição”.

A China rejeitou os apelos de Lai para negociações. Lai e o seu partido rejeitam as reivindicações de soberania de Pequim e dizem que apenas o povo de Taiwan pode decidir o seu futuro.

Hu Xijin, ex-editor do jornal chinês apoiado pelo Estado, o Global Times, que continua a ser um proeminente comentador chinês, escreveu numa publicação nas redes sociais que era irrelevante em quem os taiwaneses votassem quando se tratava de colocar a ilha sob o controlo chinês.

“A força do continente já está aqui, e a vontade de 1,4 mil milhões de pessoas de completar a reunificação do país também está aqui. Quem ganha as eleições locais de Taiwan não é de forma alguma o mais importante”, escreveu.

What’s your Reaction?
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
0 0 votes
Classificação da Postagem
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Top
WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x